​Sistemas de Prevenção


Sistema por Extintores

Extintor de incêndio:aparelho de acionamento manual, constituído de recipiente e, acessórios contendo o agente extintor destinado a combater princípios de incêndio;
Extintor portátil:extintor que possui massa total até 245N (25 Kgf);
Extintor sobre rodas:extintor que possui massa total superior a 245N (25 Kgf),montado sobre rodas;
Agente extintor:substância utilizada para a extinção de fogo;
Carga:quantidade de agente extintor contida no extintor de incêndio, medida em litro ou quilograma;
Capacidade extintora:medida do poder de extinção de fogo de um extintor, obtida em ensaio prático normalizado;
Distância máxima a ser percorrida:distância máxima real, em metros, a ser percorrida por um operador do ponto fixo do extintor a qualquer ponto da área protegida pelo extintor;
Sinalização:marcação de piso, parede e/ou coluna, destinada a indicar a presença de um extintor.

Sistema de Hidrantes

O sistema de hidrantes é instalado na tubulação geral de incêndio, sendo que sua pressão e vazão devem ser determinadas de acordo com as normas do Corpo de Bombeiros e a NBR. O sistema é constituído por uma rede de tubulação constantemente pressurizada pelas bombas de incêndio e acionadas por motor elétrico ou diesel, devendo entrar em funcionamento automaticamente quando houver abertura de qualquer ponto de hidrante.

Os hidrantes podem ser simples (utilizados em áreas internas) ou duplos (utilizados em áreas externas e em áreas internas dependendo da situação e do risco) e são compostos de registro controlador, adaptador tipo engate rápido e tampão com engate rápido para proteção contra detritos, animais ou insetos. O conjunto precisa de um abrigo metálico para acomodar no seu interior os acessórios (chave tipo engate rápido, mangueiras de incêndio e esguichos).

Sistema de Detecção e Alarme

Conforme determina a Norma ABNT NBR 17240, o painel central deverá possuir uma fonte de alimentação de emergência constituída por baterias, destinada a manter o funcionamento do sistema na falta de energia elétrica normal. Este sistema tem a finalidade de detectar imediatamente o princípio de incêndio, através de detectores de fumaça e/ou detectores térmicos distribuídos de acordo com a Norma ABNT NBR 17240.

Os detectores de incêndio (fumaça ou térmicos) são localizados em intervalos regulares, capazes de detectar a área afetada sem a intervenção humana e são interligados a uma central de alarme através de um sistema de fiação, permitindo o controle do sistema e a identificação da área em sinistro.

Possui dispositivo de atuação manual (acionadores manuais) que é incorporado ao sistema, permitindo a operação manual quando o princípio de incêndio é percebido antes da atuação automática. Estes acionadores são distribuídos na área a ser protegida segundo recomendação da norma brasileira ABNT NBR 17240.

Para avisar as pessoas da necessidade de desocupação da área, no caso da ocorrência de incêndio, o sistema possui dispositivos de sinalização que podem ser do tipo sonoro (sirene), visual (flash) ou combinado (sinalizador audiovisual). Estes sinalizadores são distribuídos na área a ser protegida segundo a recomendação da norma brasileira ABNT NBR 17240.

Sistema de Sprinklers

O objetivo do sprinkler é extinguir um incêndio de maneira rápida e automática logo no princípio, antes que o fogo se propague e provoque maiores danos. O Sistema de sprinklers automático atua na extinção do fogo na área, pela pronta e contínua descarga de água diretamente sobre o material em combustão.

Os sprinklers são projetados na rede com espaçamentos regulamentados para cada tipo de risco a ser protegido. Cada instalação, com um determinado número de sprinklers, é controlada por uma válvula de governo e alarme.

Os componentes básicos dos bicos de sprinklers são: orifício de entrada, ampola (elemento sensor) e o defletor.

O elemento sensível dos sprinklers é a ampola de vidro transparente, caracterizada pela sua resistência e rigidez. Esta ampola e seu conteúdo são de natureza permanente e invariável, e não sofrem alteração com a passagem do tempo ou condições atmosféricas.

A ampola de vidro é hermeticamente fechada e selada e contém um líquido altamente expansível e sensível ao calor, capaz de exercer uma força de rompimento elevada. No caso da temperatura se elevar acima de um limite predeterminado, a pressão criada pela expansão do líquido rompe a ampola, dando passagem à água que se espalha ao chocar-se contra o defletor, sendo espargida em forma de chuva sobre o foco de incêndio. Existem ainda, os modelos de sprinklers onde o elemento sensor é constituído de um elo fusível metálico, em substituição à ampola de vidro.

A função dos sprinklers é reduzir ao mínimo os danos causados pelo fogo e também pela água. É importante observar que os sprinklers somente irão funcionar sobre o local do incêndio, empregando assim apenas a quantidade de água estritamente necessária.

Sistema de Espumas

Basicamente o processo de extinção se dá por abafamento, ou seja, o agente extintor espuma elimina o contato do líquido inflamável com o oxigênio, ocorrendo a extinção. Os sistemas de espuma podem ser utilizados também na prevenção, quando ocorre vazamento de líquido inflamável: a espuma gerada de baixa densidade é aplicada sobre o produto derramado, impedindo que haja liberação de vapores inflamáveis para atmosfera, evitando assim o risco de incêndio.

Aplicações típicas dos Sistemas de Espuma:
- Refinarias;
- Áreas de carregamento de combustível;
- Tanques de estocagem de combustível;
- Bacias de contenção;
- Hangares;
- Aeroportos;
- Estações de bombeamento de produto;
- Plataformas;
- Indústrias químicas e petroquímicas;
- Armazéns de combustíveis.

Supressão por FM-200, CO2 e Novec 1320

FM-200
A eliminação da produção de substâncias prejudiciais à camada de ozônio, decretada pelo Protocolo de Montreal, efetivamente encerrou o uso do Halon 1301 como agente extintor em novos sistemas de supressão de incêndio. O FM-200®, foi desenvolvido para atender à necessidade de um agente limpo, eficaz e confiável, que não prejudique o meio ambiente. Os sistemas de supressão de FM-200®, atendem aos rígidos padrões definidos pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA – US. Environmental Protection Agency) de acordo com seu Programa de Novas e Importantes Alternativas (SNAP – Significant New Alternatives Program).

O FM-200®, não possui qualquer tipo de restrição quanto à utilização em ambientes ocupados, pois não é tóxico e não causa problemas à saúde humana, inclusive, sendo utilizado como propelente em inaladores médicos. É um sistema de baixa pressão que permite sua utilização sem preocupações quanto a aspectos de sobrepressurização do ambiente protegido.
O sistema compreende basicamente uma rede de difusores interligados por uma tubulação de aço preto Schedule 40 ao cilindro de baixa pressão correspondente.

Quando o sistema é atuado (manual ou automaticamente) a válvula do cilindro é aberta, o gás é liberado e passa através da tubulação para ser totalmente descarregado na área protegida através dos difusores, de acordo com parâmetros/premissas adotados nos cálculos específicos do software de vazão.

As principais aplicações do sistema FM-200®, são em salas de servidores, CPD, data centers, salas cofre, salas de controle, salas de telecomunicações, centros de comutação e controle, erb’s, salas de painéis, porões de cabos, salas de arquivo, salas de testes, torres de comando aéreo, fitotecas, bibliotecas, museus, etc.

CO2
O dióxido de carbono (CO2) é encontrado naturalmente na atmosfera e se caracteriza por ser um gás inodoro, incolor, não corrosivo e não condutor de eletricidade podendo ser utilizado como um agente supressor de incêndio.

O método de extinção deste gás é através da absorção do oxigênio no ambiente, ou seja, extingue a chama por abafamento, reduzindo significativamente os níveis de oxigênio do ambiente protegido. Portanto, este tipo de sistema é indicado apenas em locais sem a presença ou circulação de pessoas.

O sistema fixo de CO2 pode ser atuado de forma automática (através do sistema de detecção) ou manual, sendo projetado de acordo com o risco existente, volume do ambiente e característica da área a ser protegida, podendo ser do tipo inundação total ou aplicação local.

Este sistema é basicamente constituído pelo agente extintor CO2, cilindros de aço com capacidade de 45kg, válvula de cilindro, cabeça de descarga, cabeça e comando elétrico, difusores, mangueira de descarga, tubulações, conexões e suportes.

O sistema automático é monitorado por detectores pontuais de fumaça, detectores pontuais térmicos ou detectores por aspiração que, para maior segurança, serão ligados em laços cruzados.

Em caso de incêndio, estes detectores serão atuados e enviarão um sinal elétrico à central de detecção e alarme que, imediatamente, identificará e sinalizará o evento disparando um pré-alarme, alertando os ocupantes do local em emergência para evacuação e a brigada de incêndio para as providências necessárias.

O sistema de detecção será responsável pelo desencadeamento do processo automático de extinção, tão logo haja a atuação de um segundo detector de outro laço, que envia um sinal elétrico ao painel central de detecção e alarme que cessa o pré-alarme e dispara o alarme de evacuação (contínuo) para a desocupação total da área, pois a descarga do gás é iminente.

A descarga ocorrerá após um tempo de retardo predeterminado de acordo com a característica de evacuação da área (geralmente de 30 a 60 segundos).

O sistema possui chaves de bloqueio para retardar o disparo ou mesmo cancelá-lo em caso de alarme indevido. Esta chave de bloqueio normalmente é instalada na entrada principal da área protegida.

O sistema manual pode ser atuado através do acionador manual instalado na entrada principal do ambiente a ser protegido ou diretamente na cabeça de comando do(s) cilindro(s) mestre.

O sistema de supressão por CO2 é indicado apenas em locais onde não ocorre a presença ou circulação de pessoas, tais como: salas de transformadores, cabines de pintura, salas de compressores, tanques de armazenamento de líquidos inflamáveis, equipamentos rotativos elétricos, geradores de usinas hidroelétricas, salas elétricas, salas de baterias, etc.

NOVEC 1230
O NOVEC™ 1230 é um agente limpo, listado na NFPA 2001, usado em sistemas de supressão por inundação total. O agente tem o menor impacto sobre o meio ambiente dentre todos os gases listados pela NFPA 2001, com tempo de vida na atmosfera de apenas cinco dias e Potencial de Destruição da Camada de Ozônio igual a zero (ODP = 0). Mesmo quando um sistema de NOVEC™ 1230 é descarregado, sua rápida atuação interrompe um possível impacto devastador causado por um incêndio descontrolado.

Quimicamente, o NOVEC™ 1230 é uma cetona fluorada – CF3CF2C(O) CF (CF3) 2 – e em condições normais é um líquido pressurizado e armazenado com nitrogênio; fluído incolor, inodoro, não condutor de eletricidade e, por não deixar resíduos, é considerado um agente “limpo”. A extinção do fogo se dá por uma combinação química e física agindo sobre a chama, não alterando significativamente a concentração de oxigênio do ambiente. O NOVEC™ 1230 pode ser usado em ambientes ocupados por pessoas, pois não é tóxico nem causa problemas à saúde humana.


Mecanismos de Extinção
O NOVEC™ 1230 extingue o incêndio por resfriamento e interferência química em virtude de ser um excelente condutor térmico. O NOVEC™ 1230 reduz a energia térmica do incêndio a um ponto em que a reação de combustão não consegue se sustentar.

A concentração mínima utilizada como base para projeto é de 4.2% (classe A), 5.85% (classe B) e 4.2% a 6% (classe C). Com o NOAEL – No observed adverse effect level ( nível de efeito adverso não observado) de 10%, margem de segurança para as áreas ocupadas.

Risco às Pessoas
A descarga de NOVEC™ 1230 para extinção do fogo não oferece perigo às pessoas desde que respeitados os índices de concentração citados na norma NFPA 2001.
A exposição ao agente extintor não é tóxica, mas todos os cuidados devem ser tomados para evitar a inalação de produtos da decomposição do agente extintor na presença de chama aberta e gases provenientes da própria combustão.